“Aqui tem gente que lê”

Posted on 22/11/2013

0


Mutirão pela Leitura

_MG_6405 _MG_6414Placa distribuída entre moradores que respondem ao questionário da Secretaria de Cultura e Turismo é um retrato fiel de alguns moradores

 

Íris Nicole da Silva Baranauskas, 23, mãe das gêmeas Isabelly e Louise, 6 anos, percebeu que não era a única apaixonada por livros ao receber uma equipe da Secretaria de Cultura e Turismo que está fazendo um levantamento sobre os hábitos de leitura da população de Barueri.

O levantamento, feito através de um questionário por funcionários das 11 bibliotecas municipais, permitirá que a secretaria trace um fiel retrato da leitura na cidade. São esses dados que indicarão as diretrizes para o desenvolvimento de políticas públicas de incentivo à leitura, uma das metas do governo Gil Arantes.

Íris foi uma das visitadas pelo mutirão. Moradora do Jardim Maria Helena, o pesquisador constatou estar entrevistando uma frequentadora assídua das bibliotecas municipais. “Antes ía na biblioteca aqui do bairro, depois foi para a unidade da Aldeia e visitei outras, movida pela curiosidade”, conta. Essa caminhada de Íris tem uma explicação: ela gosta de sentir o livro, o cheiro, folhear cada página e envolver-se na história.

Além de frequentar as bibliotecas municipais, ela compra livros pela internet, vai às sessões de autógrafos quando possível e busca pessoas para discutir o que já leu. Tentou abrir um clube de leitura, para reunir leitores que discutissem as obras. “Não consegui porque as pessoas não tinham tempo”, diz.

Ela, no entanto, não desistiu da ideia. Por enquanto vai guardando seus inúmeros livros, alguns autografados, em uma estante no quarto. E são muitos livros. Só neste ano, Íris leu 35 livros e já procura pelo próximo título. Ela tem seus autores preferidos como Nicholas Sparks e Harlan Coben, mas não abre mão de novidades. “Em uma biblioteca ou livraria, sempre leio a apresentação. Se ficar interessada e puder comprar, já levo. Do contrário busco nas bibliotecas”, conta.

Íris também busca informações na internet, principalmente em sites especializados. “Aqui (mostra a página do site) elenco os títulos que já li, recebo sugestões dos demais internautas e faço trocas de livros. É uma forma dinâmica para estar sempre atualizada”, ensina, lembrando que já tentou, mas não conseguiu ler um livro eletronicamente.

“Pra mim, ler é me transportar para a história. Gosto de estar confortável e com tempo para degustar o meu livro”, diz. Normalmente, Íris lê à noite enquanto a maioria das pessoas está ligada nas telenovelas. Depois de ler o seu livro, ainda arruma um tempinho para ler para as filhas. “Espero que elas tenham o mesmo gosto pela leitura”, confessa.

Íris acredita ser esse o melhor caminho porque na própria infância não teve ninguém que lesse para ela. “A leitura conheci há três anos ao ler ‘Querido John’, de Nicholas Sparks. Gostei tanto que fui buscar mais livros de Nicholas e, desde então, não parei mais”, explica. Hoje, ela mistura os estilos. Vai de romance a ação policial e pretende reler alguns títulos. “Talvez encontre algo que deixei passar na primeira leitura”, diz.

Para quem ainda não se rendeu à leitura de um bom livro, Íris sintetiza: “quando a pessoa perceber que pode se envolver na história, sentir o mesmo que o personagem está vivendo, não acredito que trate a leitura como dispensável. Além de cultura e conhecimento, leitura é lazer”, conclui.

 

Anúncios
Posted in: Eventos